Contando com a inédita presença do Maestro Leo Brouwer no Brasil, a Philarmonia Brasileira, o Maestro Gil Jardim e Prof. Dr. Edelton Gloeden, ambos da Universidade de São Paulo, decidiram celebrar a obra daquele que é considerado um dos maiores compositores latino-americanos da atualidade.

Criou-se então o Festival Internacional de Violão Leo Brouwer, em 2008, com edições anuais, até 2011 quando tornou-se bianual.

Dentro de sua estrutura foram concebidos diversos eventos, tais como recitais, concertos, masterclasses, palestras, e lançamentos de livros, todos voltados ao violão clássico, porém com participações importantes de instrumentistas populares brasileiros.

Além da diversidade de atividades, foi criado o Ensemble de Violões Leo Brouwer que tem como objetivo executar obras inéditas para esta formação e trazer a linguagem da música camerística para este instrumento.

À partir de seu propósito de trazer as obras de Leo Brouwer, difundindo a sua produção musical e promovendo o intercâmbio cultural entre participantes, docentes e convidados, também a constituição do conceito artístico privilegia as obras inéditas, estreias nacionais e internacionais.

A cada ano, o Festival concentra suas atividades em homenagens a grandes compositores e interpretes nacionais e internacionais, criando um dos projetos mais consistentes e diversificados, num padrão inigualável de qualidade no país.

Segundo Jonathan Leathwood, renomado intérprete inglês, especialista em Juliam Bream: “Não há outro festival no mundo que se compare a este”.

O Festival tem, além do caráter artístico, uma forte atividade pedagógica, apoiada por seus diretores artísticos e pela Universidade de São Paulo, que reúne jovens oriundos não só de todo o Brasil, mas também com jovens violonistas da América Latina.